saiba mais sobre desenvolvimento da fala e linguagem infantil e como ajudar o seu pequeno!

“Mama” e “dada”. Duas palavras tão simples, mas que são o suprassumo do desenvolvimento da fala para os pais, isso sem contar aquela disputa para saber quem o bebê irá “chamar” primeiro – que pode terminar empatada se o pequeno decidir falar outra coisa.

Todas as etapas do desenvolvimento de bebês e crianças são ansiosamente aguardadas pelos pais e cuidadores, mas o desenvolvimento da fala e linguagem infantil desponta como uma das principais, já que marca uma das mudanças mais significativas em suas vidas.

A partir do momento em que conseguirem falar, os pequenos podem expressar com mais facilidade tudo o que sentem, querem, gostam e desgostam, o que, por sua vez, permite uma interação muito mais intensa e complexa com o mundo que os cerca.

Com tudo isso, costuma surgir aquela pergunta: com quantos anos a criança começa a falar? Os mais apressados, por sua vez, já podem querer saber com quantos meses o bebê fala, assunto comum nas conversas entre os grupos de pais e mães por aí.

Se você está com essa dúvida, fique tranquilo, pois acabou de vir ao lugar certo. Continue a leitura para aprender detalhes muito importantes sobre o desenvolvimento da fala infantil, além de dicas para que você possa ajudar nesse processo.

Quando começa o desenvolvimento da fala?

Quando começa o desenvolvimento da fala

Geralmente, as primeiras palavras costumam surgir por volta dos 12 meses, embora os sons já possam se iniciar lá pelos 9 meses, mas isso depende de cada criança.

Porém, antes de falarmos mais sobre o desenvolvimento da fala propriamente dito, é importante comentar sobre outras habilidades que precisam estar prontas antes das primeiras palavras: a cognição e as habilidades motoras finas.

É isso o que diz Heather Boerner, proprietária do Chatty Child Speech & Occupational Therapy, PLLC, centro terapêutico em Nova York, em uma entrevista à revista Parents.

De acordo com Heather, para que a criança produza a fala, ela primeiro precisa compreender cognitivamente a linguagem simples. Depois, então, ela aprende como expressar suas ideias verbalmente.

Ela diz que ainda há um componente motor na fala: a criança precisa desenvolver a habilidade de produzir os sons.

Como nós já comentamos por aqui em nosso artigo sobre os saltos de desenvolvimento do bebê, os pequenos se desenvolvem de maneira gradual, e o que eles já aprenderam será determinante para que possam adquirir suas próprias habilidades. Não é diferente com o desenvolvimento da fala.

Veja também: Saltos de desenvolvimento do bebê: o que são e como lidar com as mudanças

Quais são os estágios do desenvolvimento da fala e linguagem infantil?

desenvolvimento da fala começa quando

É sempre bom lembrar que cada criança se desenvolve no próprio ritmo, ou seja, o fato do vizinho da mesma idade falar mais que o seu filho não significa que haja algum atraso, pelo contrário.

Além disso, não devemos restringir esse assunto apenas à fala verbalizada, mas sim às etapas de desenvolvimento da linguagem, que também ocorre de forma não verbal, como quando os pequenos apontam para algo que querem, por exemplo.

Porém, ainda assim, há alguns marcos que costumam acontecer em determinadas faixas etárias quando se fala sobre o desenvolvimento da fala e linguagem infantil, e muitos deles foram relatados por especialistas em outro artigo da Parents. Veja só:

Desenvolvimento da linguagem com 1 ano

Nesta fase, as crianças começam a se comunicar para além do choro. Alguns sinais são os seguintes:

  • Dizer algumas poucas palavras. Geralmente, dá para contar nos dedos as palavras que elas sabem falar. Seu vocabulário ainda é raso e a principal preocupação é que as falas de “mama” e “papa” sejam direcionadas exatamente à mamãe e ao papai.
  • Seguir direções simples. Além de responder, as crianças seguem pedidos simples, como levantar os braços ao dizer “para cima”, pegar um brinquedo ou parar de fazer algo ao dizer “não” – mas elas provavelmente tentarão fazer de novo!
  • Responder ao que ouvem. A linguagem receptiva é um ponto crucial nessa fase. As crianças geralmente reconhecem a voz dos pais e cuidadores, viram a cabeça quando escutam algum som e dão risada quando ouvem outros risos. A comunicação não verbal também aparece, como quando apontam ou olham para o que querem e seguem o olhar ou o dedo apontado para algo. Essas ações responsivas são mais importantes que a quantidade de palavras que ela fala agora.
  • Imitar vozes. Mesmo que domine poucas palavras, as crianças balbuciam muito e tentam imitar os sons de outras pessoas. Geralmente, o balbuciar de vogais e consoantes começa por volta dos 8 ou 9 meses e continua até que as primeiras palavras são formadas, por volta dos 12 meses.

Leia também: Meu filho só diz “não”! Como lidar?

Desenvolvimento da linguagem com 2 anos

Por volta dos 2 anos, fica ainda mais fácil perceber se a criança está desenvolvendo sua linguagem. Alguns dos principais sinais são:

  • Maior vocabulário. Aqui, o vocabulário regular já costuma ter umas 50 palavras, como “mais”, “leite” e “vovó”, por exemplo. O desenvolvimento é bem acentuado na fala e os pequenos geralmente repetem o que ouvem de pais e cuidadores.
  • Uso de pronomes. Os pequenos começam a entender o conceito de “eu” e “você”, mesmo que nem sempre use as palavras certas. Eles podem chamar a mãe de “ele” e ele mesmo de “você”, por exemplo. Isso também é normal pela idade.
  • Juntar palavras. Frases com duas palavras já se tornam mais comuns, como “minha bola” ou “vai carro”. É normal, porém, que a pronúncia ainda esteja um pouco errada.
  • Identificar objetos e partes do corpo. As crianças provavelmente vão conseguir apontar para seus olhos, nariz, boca e assim em diante, além de falar os nomes das partes do corpo. Algumas começam a apontar bem antes de falar, e está tudo bem. Elas também podem apontar corretamente quando você pergunta onde está o cachorro da família em uma foto, por exemplo.

Veja também: Como estimular a criatividade infantil? Descubra e aplique agora!

Desenvolvimento da linguagem com 3 anos

Não se assuste se os pequenos estiverem mais tagarelas, pois o desenvolvimento também é bem intenso nessa idade. Por ora, elas devem conseguir fazer o seguinte:

  • Juntar ainda mais palavras. As crianças já conseguem fazer frases com de 3 a 6 palavras, como “a mamãe chegou” ou “o papai está comendo”.
  • Falar frases simples com clareza. Nessa idade, você deve conseguir entender claramente o que os pequenos dizem – ou a maioria. Já é possível ter uma conversa onde eles fazem perguntas e contam o que aconteceu naquele dia.
  • Seguir a pedidos em duas partes. Outra etapa significativa do desenvolvimento é conseguir atender a pedidos mais difíceis. Se você disser “Por favor, tire a blusa e coloque no cesto de roupas”, ela deve conseguir fazer o que foi pedido. Porém, se for algo que ela nunca fez antes, é normal se enrolar um pouco.
  • Escolher as palavras certas. Com o desenvolvimento da fala, os pequenos apontam bem menos: em vez disso, eles já devem conhecer uma palavra para quase tudo o que querem identificar e, então, pedem ou indicam os objetos verbalmente. Os livros também ajudam na hora de estimular o desenvolvimento da linguagem das crianças, por isso, que tal conferir em nosso blog dicas de livros para crianças de 3 a 5 anos

Veja também: 10 livros infantis para crianças de 3 a 5 anos

Desenvolvimento da linguagem com 4 anos

Desenvolvimento da linguagem com 4 anos

O crescimento dos pequenos acontece de vento em popa, e seu domínio linguístico impressiona. Nessa idade, eles costumam ser capazes de fazer o seguinte:

  • Falar claramente frases mais complexas. As crianças conseguem contar uma história inteira, como algo legal que fizeram na escola, e é possível entender todas as palavras. Nessa fase, até outras pessoas que não os pais e cuidadores conseguem entender o que elas dizem.
  • Entender o conceito de tempo. Mesmo que elas não saibam dizer que horas são, já conseguem entender o conceito geral de ordenar momentos durante o dia (café pela manhã, almoço à tarde e jantar à noite).
  • Identificar cores, formatos e letras. Alguns desses elementos já são conhecidos pelas crianças, e é uma boa dica aproveitar cada momento para explorar diferentes letras e palavras com eles. É possível ensinar, por exemplo, que “manteiga” é uma palavra grande, mas “pão” é uma pequena. Elas podem aprender mesmo em pouco tempo.
  • Seguir comandos mais complexos. Agora, comandos com três ou quatro etapas já tornam-se possíveis, como “deixe a mochila no sofá, pegue o chinelo e venha almoçar”. Elas também podem falar frases mais complexas, como “eu quero comer uma banana e depois assistir ao jogo de futebol”.

Como ajudar no desenvolvimento da fala?

Como ajudar no desenvolvimento da fala?

Há várias coisas que os pais e cuidadores podem fazer para ajudar no desenvolvimento da fala do bebê e da criança. Veja:

  • Converse bastante com eles… De acordo com uma pesquisa conduzida pela Universidade de Stanford, falar diretamente com uma criança fortalece suas habilidades de linguagem, pois ela aprende a processar as palavras mais rapidamente, o que acelera o crescimento do vocabulário. Portanto, não deixe de bater altos papos com os pequenos!
  • … E aproveite todos os momentos que puder para isso. Em vez de ter conversas esporádicas, é possível aproveitar praticamente todos os momentos. Enquanto troca as fraldas, você pode narrar ou explicar o que está fazendo, ou explicar como está preparando o almoço ou o jantar. Porém, sempre que possível, use palavras simples e frases curtas, especialmente com os mais novos.
  • Dê nome aos bois. A expressão é figurativa, mas o sentido é literal. Quando o pequeno apontar para uma fatia de pão, você pode dizer “Pão. Você quer um pedaço de pão?”. Assim, ela tem a oportunidade de aprender e chamar aquilo pelo nome da próxima vez – ou em alguma das próximas.
  • Aumente suas respostas. Quando a criança vê um cachorro e fala “Cachorro!”, você pode falar “Sim. Este é um cachorro grande e peludo.” A técnica também funciona para quando ela pula alguma palavra da frase, como em “Aquele cachorro grande”, quando você pode expandir para “Aquele cachorro é grande”.
  • Limite o tempo com telas. De acordo com um estudo publicado no periódico Journal of Developmental and Behavioral Pediatrics, o tempo em telas em excesso em dispositivos de mídia estava associado ao atraso de linguagem em crianças com 18 meses. Em um artigo da Universidade de Maine, especialistas sugerem que a interação com outros é melhor para o desenvolvimento da linguagem do que ficar apenas olhando para uma tela.
  • Recorra à música. Além de ser uma das melhores maneiras de enriquecer a cultura do seu filho, a música ajuda a aprender novas palavras e gestos.
  • Fale devagar, mas não apenas em “conversa de bebê”. Quanto mais você falar usando a linguagem de adultos, melhor será para o aprendizado da criança. É claro que eles podem usar alguns sons para indicar objetos, como “tetê” para o leite materno e “nanana” para banana, mas, se você ouvi-los balbuciar dessa forma, repita a palavra correta para ajudá-los a aprender.
  • Aproveite o poder dos livros. Além de apresentar histórias curiosas e interessantes aos pequenos, os livros também ajudam no desenvolvimento da fala e linguagem infantil. Este é outro motivo para você ter uma verdadeira biblioteca infantil em casa, e o clube de assinatura infantil do Quindim pode ajudar! Se quiser conferir mais sobre o assunto, você pode entender melhor como estimular a fala do bebê em nosso blog!

Veja também: Como estimular a fala do bebê? Confira 10 dicas

Quando se preocupar com atraso na fala?

Quando se preocupar com atraso na fala?

Embora cada criança se desenvolva no seu próprio ritmo, alguns sinais podem indicar que vale a pena procurar o seu pediatra para saber se está tudo bem, como os seguintes:

  • Poucos ou nenhum som emitido pela criança;
  • Ausência de sorrisos por volta dos 6 meses;
  • Pouco ou nenhum contato ou resposta aos sons;
  • Não apontar para objetos de interesse por volta de 14 meses;
  • Não responder ao seu nome com 15 meses;
  • Não falar nenhuma palavra aos 16 meses;
  • Começar a comunicação verbal e depois regredir;
  • Dificuldade em seguir instruções simples.

Mesmo que seu filho mostre alguns desses sinais, fique tranquilo, pois pode ser o seu ritmo de desenvolvimento. De qualquer forma, procurar por ajuda médica é a melhor forma de tirar suas dúvidas e ajudar a evitar algum eventual atraso de linguagem, além de saber o que fazer para corrigir a situação.

Veja também: Benefícios da leitura: muito além de aumento de vocabulário

Desenvolvimento da fala infantil: uma fase única e maravilhosa

Desenvolvimento da fala infantil: uma fase única e maravilhosa

As mães e pais por aí sabem que cada fase do desenvolvimento de um bebê é magnífica, e não é diferente com o desenvolvimento da fala e linguagem infantil, algo que a ajudará a se relacionar melhor com o mundo que a rodeia.

Faça o que for possível para potencializar esse desenvolvimento. Assim, além de firmar uma parceria ainda mais próxima e carinhosa com a criança, você a ajudará a interagir com os pais, familiares, amigos, animais e a natureza de uma maneira diferente, o que será excelente para ela.

Como foi o desenvolvimento da fala com os seus filhos? Tem mais alguma dica interessante que gostaria de acrescentar? Deixe sua opinião aqui nos comentários – ficaremos muito felizes com a sua participação!

Assine o Clube Quindim

APROVEITE ESTE MOMENTO PARA INCENTIVAR A LEITURA!