Afinal, como estimular a fala do bebê? O Clube Quindim traz algumas dicas valiosas de especialistas e mostra 10 passos para ajudar seu bebê nesse momento!

As etapas de desenvolvimento de um bebê são sempre cercadas de muito encantamento dos familiares a cada conquista e novidade. Uma das fases mais esperadas por todos é a fala. “Mama”, “papa” e “dada” são, muitas vezes, os primeiros sons emitidos pelos pequenos, geralmente perto dos seis meses. A partir desse momento, a ansiedade se instaura e espera-se que aconteça o rápido desenvolvimento da linguagem. No entanto, é preciso cuidado para não tornar esse, que deve ser um processo natural, um momento árduo.

O primeiro passo, então, é esclarecer que a idade prevista para o bebê começar sua fala acontece por volta de um ano, variando, claro, em cada indivíduo. Perto dos dois anos, os pequenos já possuem um poder maior de comunicação e conseguem elaborar algumas pequenas frases com mais precisão. Dentro desse universo complexo de aprendizado da fala, existem algumas recomendações valiosas para responder à dúvida frequente: como estimular a fala do bebê? O Clube Quindim conversou com a fonoaudióloga Marianni Costa sobre o assunto. Confira algumas dicas.

como estimular a fala do bebê em 10 passos

como estimular a fala do bebê.

1. Diálogo é essencial

A conversa é uma importante forma de incentivar a fala do bebê. “Chamamos os doze primeiros meses de vida de o ano da escuta. Compreendemos primeiro para, depois, usar as palavras compreendidas. Conforme a criança é exposta a situações comunicativas e recebe estímulos de linguagem em um ambiente estimulador, ela aprende palavras novas, faz associações e internaliza conceitos”, comenta Marianni. Por isso, é comum os pequenos repetirem os sons emitidos pelos adultos, tornando a conversa um item de primeira grandeza quando o assunto é estímulo da fala.

2. Pronunciação das palavras

Pronunciar as sílabas com destaque, em tom claro, também é importante ao se pensar em como estimular a fala do bebê. “Quanto mais a criança ouvir os sons certos das palavras, melhor será a monitorização da própria fala”, explica a fonoaudióloga.

3. Leia com o bebê

A leitura é outro estímulo importante. Quando se lê para a criança, ela está exposta a situações incentivadoras em relação à linguagem, tanto sob aspectos semânticos (vocabulário) como sintáticos (estruturação de frases). “É importante ler em um ambiente tranquilo, sem outros estímulos competidores, escolher livros adequados para a faixa etária, temas que sejam de interesse da criança e deixá-la manipular o livro”, diz Marianni. É interessante também perguntar o que o bebê acha que vai acontecer na história, fazendo que ele participe e interaja com a situação. Você também pode conhecer um pouco mais sobre o nosso clube de assinatura infantil que envia todos os meses livros voltados especificamente para a faixa etária de cada pequeno, incluindo bebês!

Veja também: A importância da leitura para bebês

4. As brincadeiras ajudam em todo processo

O momento de brincar com os pequenos é um importante estímulo para a fala. Isso porque, durante o momento lúdico, os adultos trocam muitas palavras com as crianças. Incentive-as a criarem suas próprias historinhas, ajudando a nomear os personagens e objetos. “A brincadeira ajuda a criança a entrar no mundo simbólico, ou seja, a representar, imaginar, criar. Esse momento mostra como ela está organizando as experiências vivenciadas”, enaltece a especialista.

5. O poder da música

Segundo Marianni, a música na infância é também uma importante ferramenta para estimular a linguagem. As crianças vão associando as palavras aos gestos das músicas, além de serem expostas a diferentes melodias, entonações e ritmos. Quer deixar o momento de aprendizado ainda mais divertido? Coloque músicas infantis, incentive que os pequenos memorizem a letra e faça os gestos propostos pela canção.

Veja também: Música na infância: benefícios e dicas para estimular a criança

6. Nomeie os objetos

Existem muitos objetos que fazem parte do dia a dia do bebê, como mamadeira, copo, prato, escova de dente, um brinquedo preferido. Todas as vezes que a criança utilizar esses itens, enfatize seus nomes e incentive que ela repita as palavras. De forma natural, o bebê ganhará confiança e guardará as palavras em sua memória para, em situações futuras, dizer os nomes dos objetos.

7. Paciência e muito amor

Durante o processo de desenvolvimento da fala, é essencial os adultos não perderem a paciência, pois a criança pode entender que está fazendo algo de errado, prejudicando sua evolução natural. “Não é necessário e nem recomendado corrigir o bebê a todo momento. Ele está em um processo de aquisição, aprendendo. Devemos sempre fornecer modelo correto de fala e respeitar o tempo de cada criança”, comenta.

8. Explore sinônimos

“Os sinônimos ajudam no aumento de vocabulário”, enfatiza Marianni. Comece devagar, deixe primeiro que a criança aprenda e fixe os nomes dos objetos para, somente depois, sugerir seus sinônimos. Aos poucos, ela ampliará as opções de palavras e desenvolverá diálogos mais completos.

9. Demonstre interesse

Um olho no olho acompanhado de um sorriso sempre que o bebê falar e tentar explicar seus sentimentos é o melhor caminho para gerar mais segurança nos pequenos. Permita que eles percebam que têm sua atenção por completo naquele momento, que deve ser de troca e cumplicidade.

10. Nunca faça comparações

“O filho do vizinho do meu amigo já falava nessa idade”. A frase soa muito comum para diversos pais e cuidadores e, no momento, pode gerar certa insegurança sobre o desenvolvimento do bebê. Sempre que ocorrer situações parecidas, relembre o quanto cada criança é individual, juntamente com seu progresso e aprendizagem de fala. Caso perceba qualquer dificuldade ou frustação, não a compare. Procure opinião de um especialista para ajudar nesse processo, que deve seguir leve e com descobertas saudáveis. 

Assine o Clube Quindim

APROVEITE ESTE MOMENTO PARA INCENTIVAR A LEITURA!