Veja uma seleção de livros do Clube Quindim com protagonistas femininas

Como o Clube Quindim valoriza a representatividade e a pluralidade na literatura infantil e juvenil, reunimos uma lista de livros da nossa curadoria em que as personagens femininas têm papel de destaque.

Já falamos aqui no blog sobre a importância de protagonistas femininas nas páginas de um livro, para consolidar a identidade da criança, romper preconceitos e estereótipos e contribuir na formação da autoestima. A literatura infantil e juvenil também é um espaço de representação, em que as várias perspectivas sociais devem ser apresentadas como expressões legítimas. Isso é essencial não apenas para a formação de leitores, mas, como já sabemos, para o processo de construção de suas identidades.

Estudos sobre as narrativas infantis e juvenis

A pesquisadora Leda Cláudia da Silva, mestre em Literatura Brasileira pela Universidade de Brasília (UnB), analisou narrativas infantis e juvenis brasileiras contemporâneas, com foco na representação feminina. Em artigo publicado em 2010, baseado na análise de livros retirados do acervo do Programa Nacional Biblioteca da Escola, a autora refletiu sobre quem eram as personagens – femininas e masculinas – retratadas nos livros.

Questões como cor/raça, classe, profissão e até os espaços em que essas personagens circulavam – assim como as relações sociais que estabeleciam –foram objeto de análise. Entre as 53 obras avaliadas, a maioria publicada entre 2000 e 2005, a percepção da autora do estudo é que, nas narrativas, a atuação da mulher enquanto protagonista era inferior à dos homens, seu espaço social é reduzido a ambientes privados e, consequentemente, suas relações interpessoais são restritas a esses espaços. Confira o artigo completo aqui.

O fato de as personagens femininas serem nomeadas ou não – nesse caso tornando-se apenas uma representação genérica de um grupo e não um ser com identidade própria – também foi levado em consideração. Como as personagens femininas agiam, quais ambientes frequentavam e quais as funções desempenhavam foram outros dados levantados. Uma personagem feminina que tem nome, que existe de forma independente e autêntica dos outros personagens e que circula em espaços externos além do doméstico, com certeza tem maior relevância para a formação cultural das crianças e jovens.

Em sua curadoria, o Clube Quindim leva em conta todas essas questões nas seleções de histórias, priorizando enredos que apresentem a pluralidade de personagens, cenários e perspectivas. Hoje você vai acompanhar alguns livros já selecionados que apresentam personagens meninas e mulheres, bastante diferentes entre si, protagonizando as tramas. Veja abaixo.

Veja também: Protagonistas femininas: por que elas devem estar nas histórias que seu filho lê

Livros infantis com personagens femininas

protagonistas femininas: a colecionadora de cabeças
Autora: Ana Matsusaki
Editora: Editora do Brasil
Indicado para: 6 a 8 anos

1. A colecionadora de cabeças

Rosália, nossa primeira protagonista da lista de personagens femininas, coleciona cabeças e, além disso, estuda com carinho cada uma delas e os elementos fascinantes que nelas passeiam. Uma história que nos permite uma viagem pela mente de diferentes personagens e arquétipos, como o botânico, em cuja cabeça encontramos 12 nomes populares para a mandioca, ou a arquiteta, com seu medo de entortar as linhas retas. São características que, apesar de específicas a cada personagem, revelam um pouquinho da natureza humana, nossos medos, nossas saudades, nossos afetos. E o que será que Rosália destacaria em cada um de nós?

personagens femininas: andreia baleia
Autor: Davide Cali
Ilustrações: Soja Bougaeva
Tradutora: Noelly Russo
Editora: Livros da Raposa Vermelha
Indicado para: 6 a 8 anos

2. Andreia baleia

Nessa história, a personagem principal é uma menina chamada Andreia, que se sente desconfortável com o próprio corpo e sofre com as colegas que a tratam mal. Até que um dia a menina tem uma conversa com o seu professor, que a ajuda a ressignificar sua visão sobre si mesma. Olhar para nós mesmos com mais carinho, apesar da pressão estética que sofremos, é um exercício diário. E essa obra ajuda os pequenos a lidarem com diferentes perspectivas sobre si, iniciando uma conversa sobre a autoestima na infância.

personagens femininas: Clarice do escritor Roger Mello
Autor: Roger Mello
Ilustrador: Felipe Cavalcante
Editora: Global
Indicado para: 9 a 12 anos

3. Clarice

Neste livro, a personagem principal, Clarice, narra as suas angústias e curiosidades em um período de forte opressão e censura. É um livro recheado de suspense, que não nos entrega mensagens claras, mas nos convida a decifrá-las. De repente, Clarice precisa jogar livros no lago. Sua mãe não está mais lá. Nem o pai. A palavra “subversivo” é repetida sem que seu significado venha à tona. Quando se é criança, o que podemos fazer para fugir do controle constante dos adultos? Uma obra que se passa no período da ditadura militar no Brasil e pode nos ajudar a refletir sobre as mais diversas questões.

Veja também: Censura é tema de obra infantil: saiba o que há por trás desse conceito e por que abordá-lo com crianças

personagens femininas: michael ende
Autor: Michael Ende
Editora: WMF Martins Fontes
Indicado para: 9 a 12 anos

4. Momo e o senhor do tempo

Este livro conta a história de Momo, uma menina que consegue realmente ouvir as pessoas. Logo, porém, chegam os homens cinzentos, seduzindo a todos para a importância de se poupar tempo para o futuro. Mas o tempo pode ser poupado? A obra aborda as relações entre o tempo e o dinheiro na sociedade contemporânea. Um livro que traz à tona questões sobre o consumismo, sobre o tédio, sobre a instrumentalização das brincadeiras da infância e até mesmo o papel da escola na criação dos pequenos.

personagens femininas: minha familia enauene
Autora: Rita Carelli
Ilustradora: Anabella López
Editora: FTD
Indicado para: 9 a 12 anos

5. Minha família enauenê

Essa história se passa em uma aldeia do povo Enauenê-nauê, em que uma família adota uma menina da cidade. Durante a leitura, diversas questões sobre a construção de gênero em diferentes culturas são abordadas. Na aldeia do povo Enauenê-nauê, por exemplo, os papéis dos meninos e das meninas desde a infância são muito definidos. As meninas cuidam dos bebês e os meninos brincam. Como fisicamente os meninos e as meninas são muito parecidos, a personagem, que gosta muito mais dos papéis que os meninos desempenham, escolhe ficar no grupo deles. Temos muito a aprender com a relativização desses estereótipos de gênero.

personagens femininas: a princesinha medrosa odilon moraes
Autor: Odilon Moraes
Editora: Jujuba
Indicado para: 3 a 5 anos

6. A princesinha medrosa

A personagem principal desta história tem medo de tudo: do escuro, da escassez e da solidão. Então, com seu poder de princesa, tenta controlar a ação de todos à sua volta para se proteger. Isso até que se perde em um passeio e conhece um menino que gosta de contar estrelas à beira do rio. A partir daí, ela vai aprender a enxergar o mundo com outros olhos, descobrindo que pode encontrar força dentro de si mesma.

Veja também: Medo na infância: como a literatura pode espantar os fantasmas debaixo da cama

personagens femininas: Capa do livro a moça tecelã a escritora Marina Colasanti
Autora: Marina Colasanti
Ilustrador: Demóstenes Vargas
Editora: Global
Indicado para: 6 a 8 anos

7. A moça tecelã

A moça tecelã que dá título à obra é a última protagonista dessa lista de personagens femininas. Ela torna real tudo o que tece: o amanhecer, as cores da natureza, um lar. Um dia, sente-se só e tece um homem com chapéu emplumado. Ele lhe pede para tecer uma casa, depois um palácio, colocando o tear mágico aos seus caprichos. Por fim, a moça se vê presa naquela situação. Mas a personagem lembra que pode tecer e destecer o seu destino e ganha autonomia em relação ao ambiente no qual esteve enredada.

Assine o Clube Quindim

APROVEITE ESTE MOMENTO PARA INCENTIVAR A LEITURA!