Entenda melhor o que é terror noturno infantil

A família toda está dormindo tranquila. Então, no instante seguinte, seu filho senta na cama, começa a gritar, chorar e até correr pela casa. Parece um grande susto – e de fato é -, mas só quem já conviveu com o terror noturno em crianças entende como isso pode assustar os pais.

Essa breve descrição soa apavorante, mas, felizmente, a situação costuma ser menos perigosa do que pode parecer em um primeiro momento, e, com os cuidados certos, os pequenos continuarão bem e tudo voltará ao normal, até mesmo sem a necessidade de tratamentos adicionais.

Porém, de fato, pode haver casos em que o auxílio médico se faz necessário, então é importante se informar sobre a situação para lidar com ela da melhor maneira possível.

Continue conosco para entender mais sobre o terror noturno em bebês e crianças, como evitá-lo, o que fazer caso você se depare com a situação e quando é a hora de procurar ajuda médica para que o seu pequeno fique bem.

O que é terror noturno?

terror noturno em crianças como lidar

Tecnicamente, é uma parassonia, ou seja, um distúrbio do sono, assim como sonambulismo, despertar confusional e transtorno comportamental do sono REM. Na prática, é algo que costuma deixar os pais e cuidadores de cabelo em pé, especialmente quando não se sabe com o que se está lidando.

O terror noturno, assim como algumas outras parassonias, acomete mais comumente crianças. Porém, pode acontecer também com adolescentes e adultos, embora seja algo menos usual.

Qual a idade do terror noturno?

A prevalência do terror noturno é um assunto sobre o qual há definições discrepantes, como mostra o artigo An evolutionary perspective on night terrors (Uma perspectiva evolucionária sobre o terror noturno).

Ele mostra que os estudos costumam abordar faixas etárias que vão dos 18 meses à adolescência. Ele também diz que a prevalência é mais frequentemente reconhecida em crianças em idade escolar, embora pesquisas tenham demonstrado que o terror noturno é mais comum de 1 a 5 anos de idade.

A situação também pode ocorrer na fase adulta, mas é bem raro.

Quais são os sintomas do terror noturno em crianças?

Nos episódios de terror noturno, uma criança pode apresentar os seguintes sintomas:

  • Sentar-se na cama;
  • Apresentar uma expressão facial de medo;
  • Gritar;
  • Debater-se ou chutar;
  • Transpirar excessivamente;
  • Respiração anormal, batimentos cardíacos acelerados, rosto corado e pupilas dilatadas;
  • Choro muito difícil de ser consolado;
  • Manter os olhos abertos e o olhar fixo;
  • Ser difícil de acordar e, quando isso é possível, parecer confusa;
  • Ficar em pé e correr pela casa ou até mesmo para fora dela;
  • Ter pouca ou nenhuma lembrança sobre o evento na manhã seguinte;
  • Eventualmente, ter comportamento agressivo se bloqueada ou contida (mais comum em adultos).

Além da agressividade, outra diferença entre o terror noturno em crianças e em adultos é que os mais velhos podem ter algumas lembranças do que aconteceu nos episódios.

Quanto tempo dura um episódio de terror noturno?

terror noturno em crianças e terror noturno em bebês

Geralmente, eles demoram de alguns segundos a poucos minutos, mas pode acontecer de se prolongarem por mais tempo. Assim que os episódios acabam, a criança continua a dormir normalmente.

Em que momento do sono os episódios de terror noturno costumam acontecer?

Geralmente, do primeiro terço à primeira metade da noite. É raro que os episódios aconteçam durante sonecas curtas.

Terror noturno e pesadelo são a mesma coisa?

Não. Quem teve um pesadelo acorda do sonho e pode se lembrar de alguns detalhes, mas quem está em um episódio de terror noturno continua dormindo. Além disso, as crianças geralmente não se lembram de nada sobre o ocorrido, enquanto os adultos podem recordar apenas alguns fragmentos daquele momento. Você também pode conferir em nosso blog mais sobre o medo na infância e como a literatura pode ajudar a lidar com ele!

Veja também: Medo na infância, como a literatura pode espantar os fantasmas debaixo da cama

Por que acontecem episódios de terror noturno?

O terror noturno é uma parassonia, ou seja, um comportamento ou experiência indesejável durante o sono. Ele é um distúrbio da excitação, o que significa que ocorre durante o sono N3, estágio mais profundo do sono não REM, assim como o sonambulismo, às vezes associado com os episódios.

Uma série de fatores podem contribuir para o terror noturno, como os seguintes:

  • Estresse;
  • Febre;
  • Mudanças na rotina do sono, viagens ou interrupções durante o sono;
  • Privação de sono e cansaço extremo.

Além disso, às vezes, os episódios de terror noturno em crianças podem ser desencadeados por outras condições que interferem no sono, como as seguintes:

  • Determinados remédios;
  • Distúrbios respiratórios do sono, um grupo de condições que incluem padrões anormais de respiração durante o sono, sendo o mais comum a apneia obstrutiva do sono ou, simplesmente, apneia do sono;
  • Transtornos do humor, como depressão e ansiedade;
  • Síndrome das pernas inquietas;
  • Uso de álcool (em adultos).

Pode haver também alguns fatores de risco, como quando outros membros da família possuem histórico de terror do sono ou sonambulismo.

O que fazer para acabar com o terror noturno infantil?

Episódios esporádicos geralmente não são motivos para se preocupar. Porém, algumas medidas podem ajudar a evitar que eles aconteçam, como as seguintes:

  • Crie uma rotina de sono. Quando a criança tem uma rotina de sono, que pode ser jantar, tomar banho e depois ser colocada para dormir, por exemplo, as chances de ter episódios tornam-se bem menores.
  • Mantenha o ambiente seguro. É fundamental que as janelas e portas externas fiquem fechadas. Além disso, gavetas, portas e prateleiras com objetos cortantes ou perigosos devem ficar fora do alcance das crianças. Vale a pena investir em um portãozinho para impedir o acesso à escada e tirar os fios, cabos e outras coisas em que as crianças possam tropeçar do meio do caminho. 
  • Converse abertamente com seu filho. Pode ser que a ansiedade e o estresse desencadeiem os episódios de terror noturno em crianças. Nesse caso, tenha uma conversa franca e veja como você pode ajudá-las a superar os desafios que encontram. Além de evitar o terror noturno, você ainda consolida uma relação de confiança com os pequenos.
  • Tente entender se há algum padrão para os episódios. Assim que perceber que seu filho está passando pelo terror noturno infantil, anote quando começou, depois de quanto tempo de sono, o que a criança fez durante o episódio, quantos foram e quais sintomas foram apresentados.

Quando é preciso procurar um médico?

terror noturno em crianças e bebes o que fazer

Se for algo esporádico, não costuma ser necessário procurar ajuda médica: você pode comentar com o seu pediatra que isso aconteceu algumas vezes durante as consultas de rotina, por exemplo. Porém, caso aconteça o seguinte com os episódios, vale a pena procurar um médico especializado:

  • Atrapalham o sono da criança ou de outros membros da família;
  • Ficaram mais frequentes;
  • Levam a criança a lesões ou machucados;
  • Resultam em sintomas durante o dia, como sono excessivo ou problemas com o desempenho escolar, por exemplo;
  • Continuam até a adolescência ou o início da fase adulta.

De qualquer forma, mesmo que seja algo muito esporádico ou que tenha acontecido apenas uma vez, por exemplo, você tem todo o direito de procurar um médico de sua confiança para receber uma opinião profissional e mais assertiva sobre o caso.

Além do pediatra, outros profissionais que podem te ajudar são clínicos gerais, médicos do sono, neurologistas, psicólogos e psiquiatras.

Terror noturno infantil tem cura?

Geralmente, os eventos duram pouco tempo e as crianças logo voltam a dormir normalmente. Além disso, os episódios costumam sumir conforme a criança cresce, e o que os pais podem fazer é deixar a casa segura e aguardar até que a situação se normalize.

Porém, caso julgue mais seguro, você pode marcar um médico para o seu filho, receber uma avaliação clínica e, em seguida, proceder da melhor maneira possível de acordo com cada caso.

Veja também: Quando o medo do filho é reflexo do medo dos pais

Existe terror noturno em bebê?

terror noturno em crianças e em bebês

Sim. O quadro pode se iniciar em bebês por volta de 18 meses de idade, com sintomas parecidos com os que abordamos no terror noturno em crianças, mas com as limitações naturais que os bebês têm em relação à mobilidade, por exemplo.

Terror noturno em crianças: assusta, mas geralmente passa sozinho

Nenhum pai gosta de ver o seu filho passar por dificuldades, e o terror noturno em bebê ou criança é algo que tende a deixar os pais super preocupados. Porém, felizmente, na maioria das vezes, essa é uma situação passageira e que não demanda intervenção médica ou medicamentosa.

Se o seu filho está passando por isso, faça todo o possível para manter a casa segura e tente iniciar (ou fortalecer) uma rotina do sono. Vale dar aquele banho antes de dormir e ler uma boa história dos livros do Quindim, o clube de assinatura infantil que é seu parceiro até para essas horas.

O terror noturno em crianças já aconteceu em sua casa? Quer compartilhar suas experiências conosco? Tem mais alguma dica importante? Então deixe aqui nos comentários – ficaremos super felizes em conhecer sua perspectiva!

Assine o Clube Quindim

APROVEITE ESTE MOMENTO PARA INCENTIVAR A LEITURA!