Eram os anos 1970 e a editora Ática lançava a coleção Vaga-Lume, uma série de livros infantis e juvenis que fez história. Até hoje, os mais de cem livros lançados e relançados, com adaptações de formatos, marcaram a vida de muitas pessoas, já que essas obras foram sua porta de entrada ao mundo da literatura. Principalmente nas décadas de 1970, 1980 e 1990, os alunos de escolas de todo o Brasil tiveram acesso a esses livros, cujas histórias ficaram guardadas com muito carinho em sua memória.

Coleção Vaga-Lume editora Ática

A série conseguiu ultrapassar a barreira do tempo e acompanha até hoje muitos leitores. O sucesso se deve a diversos fatores, mas o baixo custo, sem dúvida, é um dos elementos que permitiu o amplo acesso às obras.

Jiro Takahashi, editor da série Vaga-Lume, já contou em entrevista que o lançamento das obras aconteceu em um momento de grande mudança no ensino: a obrigatoriedade da 1ª à 8ª série. Antes dessa reforma no ensino, o estudo era obrigatório apenas até a 4ª série. Com essa nova realidade, também se abriu uma lacuna em relação à qualidade dos materiais de ensino. A criação da série aconteceu para que houvesse o acesso a leituras adequadas aos estudantes, que fossem do interesse deles e compatíveis com seus gostos. O sucesso, então, foi garantido!

O processo de definição das obras publicadas se dava de três formas: uma grande quantidade de livros chegavam à editora e passavam por uma seleção para então serem lançados pela coleção; professores indicavam livros para publicação; e autores eram convidados pela editora para escrever uma nova obra. Uma etapa muito interessante (e talvez outro motor de sucesso da coleção) era o envio de testes de interesse aos estudantes. Eles, por sua vez, davam suas opiniões sobre os temas de interesse. Foi a partir dessa percepção, inclusive, que surgiram mais personagens femininas na coleção.

Veja também: A importância da literatura infantil no desenvolvimento das crianças

Confira algumas outras curiosidades e números da série Vaga-Lume:

  • Até 2021, os mais 100 títulos venderam mais de 8 milhões de exemplares. 
  • Estima-se que o título A ilha perdida, de Maria José Dupré, tenha passado o número de mais 2,2 milhões de exemplares vendidos.
  • Chamada de Vaga-Lume Júnior, há uma série que possui textos mais curtos, ilustrações coloridas e uma linguagem bastante adaptada aos pequenos. 
  • Entre as obras mais vendidas estão A ilha perdida, O escaravelho do diabo, Açúcar amargo, Deu a louca no tempo e A turma da rua Quinze.
  • Do lançamento pra cá, a coleção Vaga-Lume passou por quatro reformulações, porém, grande parte das obras ainda carrega a mesma ilustração de capa da primeira edição.