Recém-nascido: marcos do desenvolvimento e outras angústias

Você olha para o seu bebê recém-nascido, fica com o peito cheio de amor, mas ele parece tão delicado! Como cuidar dele do jeito mais seguro possível? Como saber se ele está bem, crescendo da forma como deveria? Qual o jeito certo de dar banho, alimentar, ninar, bem como educar? O Clube Quindim sabe que ter um bebê é uma experiência maravilhosa, mas muito intensa, que com frequência enche mães e pais de dúvidas.

O momento da chegada de um bebê a uma família é profundamente transformador. Afinal, aquela mulher que era apenas filha se torna mãe – ou aquela que era mãe de um se torna mãe de dois. Os papéis dentro de casa são ressignificados. O recém-nascido, por mais amado que seja, ainda é um elemento novo para todos e, além disso, está em franco descobrimento da experiência de estar vivo. Não à toa bebês choram, se debatem e estranham práticas que queremos introduzir, como amamentar, trocar fraldas, vestir e dar banho.

É por tudo isso que os primeiros dias de um recém-nascido podem ser muito angustiantes e colocar mães e pais em estado de aflição. Trata-se, no fim, de um processo de ajuste. A família precisa se ajustar à nova vida que chegou. E o bebê precisa se acostumar com sua família e com toda a vida em si – nada simples, sejamos sinceros.

As dúvidas que chegam com o bebê

Antigamente, quando a sociedade se estruturava em grandes comunidades, ou quando era comum que famílias estendidas habitassem a mesma casa, as mulheres mais velhas auxiliavam as mais novas na adaptação com a criança, cuidando dessa mulher no início da maternidade. Hoje, contudo, a grande parte de nós vive em cidades grandes, isolados em apartamentos, e na hora de buscar informação e auxílio com o bebê, recorre à internet. Com isso, em vez de buscarmos uma conexão emocional e intuitiva com essa nova fase da vida, recorremos a explicações racionais. Tabelas de desenvolvimento infantil, guias do que fazer ou não fazer, dezenas de matérias de doenças que podem acometer seu bebê, listas com tudo o que a criança deveria estar fazendo em cada semana e em cada mês.

É claro que o conhecimento racional, científico, é precioso e pode ser de grande auxílio para as famílias. Entretanto, o conteúdo que fala sobre comportamentos de bebês de forma padronizada pode gerar ainda mais angústia. Mais uma vez, é a apresentação de uma normatização. De um ideal de comportamento para as crianças, que pode colocar as famílias sob pressão para atingi-la.

O que faz a diferença para pais e mães de recém-nascidos

Nesse período da chegada do bebê, pais e principalmente mães precisam de acolhimento, de cuidados consigo, para que possam cuidar do bebê, descobrir quem ele é e como se conectar com ele. Para isso, é importante estruturar uma rede de apoio acolhedora, que respeite sua essência e sua forma de ver a vida. Encontrar a turma que faz você se sentir em casa, evitando os grupos de pessoas que semeiam o julgamento, as pressões e a competição.

Cercar-se de amor é uma forma bem efetiva de fortalecer a autoconfiança e compreender que só você, mãe ou pai da criança, pode entender quem esse ser único é. Um ser que não está em nenhum manual, e com quem você vai construir uma relação linda e transformadora.