Seleções > A bolsa amarela

A BOLSA AMARELA

Texto: Lygia Bojunga

Editora: Casa Lygia Bojunga
Por quanto tempo devemos guardar nossas vontades? Até que elas se tornem pesadas para levar pela vida afora ou virem nossa história de verdade?
SINOPSE
Foto do resenhista Peter O' Sagae
por Peter O' Sagae

Raquel é a mais importante personagem do século XX na literatura brasileira para crianças e jovens, sem dúvida alguma, tornando-se um nome forte e único. Não é apenas uma menina, mas o espírito da própria infância vagando entre as dimensões do cotidiano e da fantasia, com seus estranhamentos diante de uma ordem preestabelecida. Nesta obra, escrita em 1976, Raquel deseja descobrir seu jeito, seu caminho, guardando, desde o início da aventura, três vontades: crescer de uma vez, ter nascido menino e escrever. Raquel anseia ter autonomia e responsabilidades, bem suas, perante a vida!

 Contudo, para que ninguém veja ou faça pouco de suas vontades, todas as três ela ajeita em uma bolsa amarela, presente de segunda mão de uma tia rica que costuma passar adiante o que não mais lhe convém. E essa bolsa torna-se um esconderijo especial — com acomodações e bolsos para outros personagens que vivem em histórias que a menina inventou, como Rei, o galo que foge do próprio galinheiro, decidido a lutar pelas próprias ideias, e também um alfinete de fralda que precisava ser apenas desentortado e uma guarda-chuva.

 Lygia Bojunga encena, com recurso de fábulas e alegorias, temas importantes para uma sociedade mais inclusiva e consciente: o cuidado com a criança e sua autoafirmação num mundo futuro, a família e a escola, o consumismo e a durabilidade das coisas, o autoritarismo e a liberdade de expressão, as questões de gênero, o lugar do feminino e do feminismo, a troca de papéis ou funções no mundo atual, pois é um mundo ainda em constantes mudanças. Neste quesito, um dos pontos altos da narrativa talvez seja o episódio da Casa dos Consertos, onde moram uma menina, um homem, uma mulher e um velho que compartilham das mesmas tarefas diárias, como estudar, cozinhar e consertar objetos, sem qualquer distinção de quem faz o quê... e tudo tão cheio de livros do teto ao chão e tempo organizado.

 É enfim uma história de liberdade — contra a opressão e as diferentes formas de repressão.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS
Faixa etária: 9+
Ano: 2016
País: Brasil
ISBN: 8589020037
DIMENSÕES E ACABAMENTO
19 cm x 12.8 cm x 1.4 cm
Peso: 358 g
Páginas: 104
COMPETÊNCIAS GERAIS BNCC
Pensamento científico, crítico e criativo, Autoconhecimento e autocuidado, Responsabilidade e cidadania, Conhecimento, Trabalho e Projeto de Vida, Argumentação
PRÊMIOS
Prêmio FNLIJ - Criança
TIPOS DE LEITURA
Para refletir, Para se divertir, Para se emocionar, Para conversar sobre temas difíceis
GÊNEROS
Novela, Realismo cotidiano, Realismo mágico
ASSUNTOS
Família, Consumismo, Infância, Arte, Autoestima, Ofício de Escritor, Altruísmo, Troca de cartas, Criação literária, Escola, Escolhas, Liberdade, Protagonismo feminino, Autoritarismo, Autoimagem, Adolescência, Crescimento, Questões de gênero, Acolhimento, Desconstrução, Hábitos de consumo, Autonomia, Convenções, Decisões
SOBRE LYGIA BOJUNGA
Foto do autor Lygia Bojunga
É considerada uma das mais importantes escritoras brasileiras. Lygia foi a primeira autora fora do eixo Estados Unidos - Europa a receber o Prêmio Hans Christian Andersen (1982), considerado o Nobel da Literatura Infantil e Juvenil. Em 2004, ganhou o prêmio Astrid Lindgren Memorial Award, criado pelo governo da Suécia. Com o valor recebido, criou a Fundação Cultural Lygia Bojunga.
leia mais...
Cartão MasterCard
Cartão Visa
Cartão Amex
Cartão Diners
Cartão Elo
Cartão Hipercard
Selo de segurança da Cloudflare

Clube de Leitura Quindim

Al. dos Maracatins, 548 - Cj. 04 | Moema

04089-001 | São Paulo-SP

Site protegido por reCAPTCHA Enterprise e Google, de acordo com as Políticas de Privacidade e Termos de Serviço.
2022© Clube de Leitura Quindim - Marca registrada e todos os direitos reservados - versão 3.5.49