Seleções > O dia em que meu prédio deu no pé

O DIA EM QUE MEU PRÉDIO DEU NO PÉ

Texto: Estevão Azevedo

Ilustração: Rômolo D'Hipolito

Editora: Companhia das Letrinhas
Eis aqui, literalmente, o que é necessário para o Brasil ser descoberto: prédios, casas e muitas outras construções levantarem o alicerce e colocar o pé na estrada!
SINOPSE
Foto do resenhista Peter O' Sagae
por Peter O' Sagae

Tudo começou conta o avô para a neta numa carta — quando um pequeno prédio de apartamentos com varanda começou a chacoalhar suas vigas e foi se soltando do chão, num movimento lento o suficiente para um gato pular fora, uma família terminar o churrasco ou o rapaz do quinto andar salvar um vaso de planta! Sem ninguém, mídia ou autoridades dar importância ao fato, o predinho partiu sem olhar para trás... Entretanto, o caso foi se repetindo. De repente as pessoas viam-se abandonadas nas ruas. Casas e mansões entraram no embalo, as rodovias ficaram entupidas. Os países vizinhos ganharam bairros novos. Monumentos e edifícios históricos também deram um jeito de fugir.

Com pequenos toques de distopia, anacronismo e ironia, o texto de Estevão Azevedo evoca a velha máxima de que o Brasil precisa ser descoberto pelo próprio povo e, ao pé da letra, isso se faz com a desconstrução das cidades e ficarmos todos com os pés no chão. A carta do avô é escrita no aqui e agora para um futuro onde a terra será modelada com a mão das crianças. Há o humor mais gracioso, como relatar que a Igreja do Bonfim esperou suas escadarias estarem bem lavadinhas, antes de ir embora. Mas a crítica igualmente dá as caras ao propor que o Museu Nacional (aquele que sofreu um incêndio terrível em setembro de 2018) nos deixou levando o crânio de Luzia e demais peças de preciosas coleções, bem como descrevendo a partida das construções de Brasília como um manada de elefantes brancos.

As ilustrações de Rômolo d’Hipólito são bastante coloridas e minuciosas, inserindo referências a incêndios e queimadas, os desastres que ocorrem em meio a nossa urbanidade, problemas da gentrificação, os biossistemas e a preservação de recursos vivos da natureza.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS
Faixa etária: 6-8, 9+
Ano: 2021
País: Brasil
ISBN: 9788574069586
DIMENSÕES E ACABAMENTO
27 cm x 21 cm x 0.5 cm
Peso: 200 g
Páginas: 40
COMPETÊNCIAS GERAIS BNCC
Pensamento científico, crítico e criativo, Responsabilidade e cidadania, Trabalho e Projeto de Vida, Argumentação
TIPOS DE LEITURA
Para refletir, Para conversar sobre temas difíceis
GÊNEROS
Álbum ilustrado, Conto, Realismo mágico
ASSUNTOS
Natureza, Manaus, Cidade, Troca de cartas, Rio de Janeiro, História Geral, Contemporaneidade, Espaço urbano, Patrimônio cultural, Moradia e habitação, Recursos Naturais, Administração Pública, Espaços públicos, Preservação da natureza, Justiça social, São Paulo, História do Brasil, Cidades brasileiras, Prédio, Brasília, Salvador, Sátira, Cotidiano rural
SOBRE ESTEVÃO AZEVEDO
Foto do autor Estevão Azevedo
Mestre em letras e literatura brasileira pela FFLCH-USP, Estevão Azevedo é escritor e editor. Tem contos publicados em revistas e na antologia Popcorn unterm Zuckerhut – Junge brasilianische literatur, lançada na Alemanha em 2013. Publicou o livro de contos O som de nada acontecendo (2005), e os romances Nunca o nome do menino (2008) e Tempo de espalhar pedras (2014), escolhido como o Livro do Ano do Prêmio São Paulo de Literatura 2015. Sua estreia na literatura para crianças se dá com O dia em que meu prédio deu no pé (2021).
leia mais...
SOBRE RÔMOLO D'HIPOLITO
Rômolo D’Hipólito nasceu na cidade de Foz de Iguaçu e estudou design na PUC-PR, fazendo residências artísticas em Hong Kong, Malásia, Tailândia, Japão, Hungria, Croátia, Itália, Espanha, Marrocos, México e Guatemala, de onde surge uma visão ampla da simultaneidade que é o mundo.
leia mais...

CLUBE DE LEITURA QUINDIM

CNPJ 21.796.019/0001-66
atendimento@quindim.com.br
(11) 4563-6701

Site protegido por reCAPTCHA Enterprise e Google, de acordo com as Políticas de Privacidade e Termos de Serviço.
2022© Clube de Leitura Quindim - Marca registrada e todos os direitos reservados - versão 3.5.35