Seleções > Nós: uma antologia de literatura indígena

NÓS: UMA ANTOLOGIA DE LITERATURA INDÍGENA

Texto: Mauricio Negro

Ilustração: Mauricio Negro

Editora: Companhia das Letrinhas
Porque a vida é um coletivo: a criança vive em sociedade, a cidade e a natureza, a realidade se apresentando todo dia em fatos ordinários e imaginações, como a memória e o futuro, com a diversidade do instante presente.
SINOPSE
Foto do resenhista Peter O' Sagae
por Peter O' Sagae e Marina Fortes
Foto do resenhista Marina Fortes
por Peter O' Sagae e Marina Fortes

Dez povos, dez histórias míticas, uma antologia de literatura indígena que dá vez à palavra que abre o cosmo, tornando o desconhecido tangível à compreensão e à experiência do dia a dia. Nós, em uma visão ampla, somos amor, as origens, a fruta, os animais da água, da terra e do céu, os utensílios que inventamos, o domínio sobre a pedra e o fogo, a eletricidade e os concílios humanos. Nós somos o indígena e o estrangeiro, no sentido de aqueles que nasceram e permanecem em seu povo e do outro que vive caminhando de lugar em lugar. Cada povo tem a sua língua, a fala e o léxico, uma gramática que não apenas organiza frases mas igualmente faz perceber a ordem do mundo de um modo particular. Por vezes a dimensão que um homem tem de si mesmo é compartilhada entre os povos vizinhos, por vezes não — e é isto que possibilita a troca.

Dez histórias aqui são escritas a doze pares de olhos e mãos. Cada autor é uma âncora de sonhos e lutas ancestrais no movimento presente da vida. Cada nome tem o eco de uma etnia sonora que se converteu em linguagem escrita. Ora o código de nosso alfabeto não é nosso; seu uso remonta a várias épocas e lugares, permitindo perpetuar conhecimentos que o tempo não apaga. Hoje você pode soletrar e ouvir cada nome, buscando sentir a autoridade que transmitem: mebengôkré kayapó, saterê-mawé, maraguá, pirá-tapuya waíkhana, balatiponé umutina, taurepang, umuko masá desana, guarani mbyá, krenak e kurâ-bakairi.

Graças a novas compreensões que temos de cultura — os nós que nos prendem em sociedade, deixamos de lado as generalizações do passado e passamos a nos interessar pelos grupos cada vez mais particulares e mais complexos, em suas redes que ligam a ideia de tribo-aldeia à internet. São comunidades, famílias, indivíduos que vêm atualizando o coletivo por meio de uma escrita pessoal, dando existência a uma literatura indígena contemporânea. Aqui, no lugar do anônimo, surgem o nome próprio de seus autores-pontes entre a tradição oral e nós, os leitores, num trabalho de reunião e reconto organizado por Maurício Negro, ilustrador, escritor e gestor de projetos socioambientais e identitários. São contos, mitos e lendas para crianças e jovens leitores, mas o papo segue firme entre adultos. É preciso dar os nomes das coisas brasileiras, aclarar as velhas histórias para descobrir que o início do mundo é o incessante gesto criativo de seus narradores e o direito a ter direitos iguais a nós.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS
Faixa etária: 9+
Ano: 2019
País: Brasil
ISBN: 9788574068640
DIMENSÕES E ACABAMENTO
22 cm x 15.7 cm x 1 cm
Peso: 226 g
Páginas: 126
COMPETÊNCIAS GERAIS BNCC
Pensamento científico, crítico e criativo, Autoconhecimento e autocuidado, Empatia e cooperação, Responsabilidade e cidadania, Repertório Cultural
TIPOS DE LEITURA
Para refletir, Para se divertir, Para sentir medo, Para se emocionar, Para conversar sobre temas difíceis
GÊNEROS
Mito e lenda, Livro informativo, Reconto
ASSUNTOS
Cultura indígena, Empatia, Representatividade, Diversidade cultural, Folclore, Amazônia, Floresta Amazônica, Identidade, Brasil, Relações Humanas, Tradições brasileiras, Patrimônio cultural, Questões de gênero, Moradia e habitação, Identidades culturais, Povos Originários, Comunidade indígena, Aldeia
SOBRE MAURICIO NEGRO
Foto do autor Mauricio Negro
Artista visual, escritor, designer gráfico e pesquisador. Tem realizado projetos relacionados às matrizes culturais brasileiras e à natureza. Colaborou com mais de cem livros de escritores brasileiros e estrangeiros ao longo de mais de vinte anos. Participou de diversas exposições e catálogos no Brasil e no exterior. Faz monotipias, colagens e pirogravuras. Recebeu diversos prêmios e certificações, como o White Ravens, o NOMA, o prêmio Jabuti, entre outros. Há mais de vinte anos coordena o Negro Design Studio na elaboração de projetos no segmento editorial, audiovisual e sociocultural. É consultor de literatura indígena e membro do conselho diretor da Sociedade dos Ilustradores do Brasil.
leia mais...

CLUBE DE LEITURA QUINDIM

CNPJ 21.796.019/0001-66
atendimento@quindim.com.br
(11) 4563-6701

Site protegido por reCAPTCHA Enterprise e Google, de acordo com as Políticas de Privacidade e Termos de Serviço.
2022© Clube de Leitura Quindim - Marca registrada e todos os direitos reservados - versão 3.5.35