Seleções > Falando tupi

FALANDO TUPI

Texto: Yaguarê Yamã

Ilustração: Geraldo Valerio

Editora: Pallas
Uma visita às nossas origens como povo brasileiro, uma celebração à cultura indígena — aqui representada pela cultura Maraguá — em um livro bilíngue de Yaguarê Yamã que, certamente, irá deliciar o leitor.
SINOPSE
Foto do resenhista Lucélia Souza
por Lucélia Souza

Xe rera Yaguarê, se amazunaguára. Xe myra i Maraguá.

(Meu nome é Yaguarê, sou do Amazonas e meu povo é Maraguá)


Morador da aldeia Yaguawajar, na região do rio Abacaxis entre os municípios de Nova Olinda do Norte e Borba, Yaguarê Yamã nos apresenta sua origem e seu idioma como afirmação da identidade de seu povo.


Xe saisubyra aramem, se a nhe’eng a saussub indé.

(Quando estou apaixonado, falo eu te amo.)


Koêma aramem a nhe’eng ará poranga.

(Quando é de manhã eu falo bom dia.)


Inúmeras palavras que usamos no dia a dia são de origem tupi e possuem significados que nem imaginamos. Passamos férias em Ubatuba, visitamos familiares em Guaratinguetá, tomamos café da manhã com tapioca e suco de abacaxi, na sessão de cinema pipoca não pode faltar e nos dias de calor sem açaí não dá, mas pouco sabemos a respeito da nossa própria história e ainda temos muito para conhecer sobre os povos originários, seus saberes e sua cultura que são nossas também.

Do rico universo das línguas indígenas existentes à chegada do colonizador, grande parte encontra-se extinta, sobrevivendo pouco mais de cento e cinquenta idiomas, de acordo com Luciana Storto, professora do Departamento de Linguística da USP.  O tupi permanece como o maior tronco linguístico em nosso país, com quarenta línguas vivas ainda hoje. São inúmeras singularidades, o que inclui uma linguagens de sinais (urubu kaapor), assovios (pirahã) e tonais (tikuna e suruí). 

Assim, nos aproximando da cultura e do idioma Maraguá, estamos descobrindo muito mais sobre nossos ancestrais e sobre nós mesmos. As ilustrações de Geraldo Valério ressaltam aos olhos pelo contraste do colorido e das formas geométricas com o fundo branco. Foram criadas a partir de colagens com papel de revista e de embrulho, representado a força da diversidade da nossa fauna e flora e, indo além, homenageando a arte e a cultura dos povos indígenas. 

INFORMAÇÕES TÉCNICAS
Faixa etária: 3-5, 6-8
Ano: 2012
País: Brasil
ISBN: 9788534704830
DIMENSÕES E ACABAMENTO
28 cm x 21 cm x 0.4 cm
Peso: 481 g
Páginas: 44
COMPETÊNCIAS GERAIS BNCC
Comunicação, Conhecimento, Repertório Cultural
TIPOS DE LEITURA
Para refletir, Para se divertir
GÊNEROS
Livro informativo, Realismo cotidiano, Crônica
ASSUNTOS
Cultura indígena, Amazônia, Floresta Amazônica, Fauna, Identidade, Ancestralidade, Frutas e Flores, Moradia e habitação, Idioma, Tupi-guarani, Povos Originários, Maraguá, Comunidade indígena, Aldeia
SOBRE YAGUARÊ YAMÃ
Foto do autor Yaguarê Yamã
Amazonense, filho do povo Maraguá (por parte de mãe) e Sateré (por parte de pai), Yaguarê Yamã é graduado em Geografia pela Universidade de Santo Amaro, na cidade de São Paulo, onde viveu por seis anos. é escritor, professor, ilustrador e ativista pelos direitos indígenas. Atualmente mora em Parintins, onde leciona em uma escola pública e atua como liderança do povo Maraguá. Já publicou vários livros para crianças, jovens e adultos.
leia mais...
SOBRE GERALDO VALERIO
Foto do autor Geraldo Valerio
Autor e ilustrador, publicou livros em diversos países como Brasil, Canadá, Estados Unidos e Portugal. É formado pela Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, com mestrado em artes pela New York University.
leia mais...

CLUBE DE LEITURA QUINDIM

CNPJ 21.796.019/0001-66
atendimento@quindim.com.br
(11) 4563-6701

Site protegido por reCAPTCHA Enterprise e Google, de acordo com as Políticas de Privacidade e Termos de Serviço.
2022© Clube de Leitura Quindim - Marca registrada e todos os direitos reservados - versão 3.5.35