Seleções > Discurso do urso

DISCURSO DO URSO

Texto: Julio Cortázar

Ilustração: Emilio Urberuaga

Tradutores: Leo Cunha

Editora: Galerinha Record
Quem poderia se dar conta que aquele barulho roufenho nos canos de casa ou nosso apartamento é apenas um urso rugindo por graça e contentamento?
SINOPSE
Foto do resenhista Peter O' Sagae
por Peter O' Sagae

Entre os muitos seres reais e imaginários, talvez o menos estranho, porém igualmente fantástico, seja mesmo o urso que vive nos canos da casa ou um prédio. Sua existência é comprovada de maneira segura. Ao abrimos a torneira de água ou do chuveiro, se ouvirmos um ronco longo e rouco é sinal que o urso dos canos está por perto... Ele vive também nos tubos de água quente, da calefação, dos velhos e mais ajeitados aparelhos de ar condicionado, viajando de vizinho em vizinho, de apartamento em apartamento. E que mal há nisso?

Nenhum, pois o urso dos canos ajuda na limpeza de toda a tubulação. Às vezes, é claro, ele apronta pequenas surpresas. Solta um grunhido mais forte na saída do gás no forno, quando ligamos o fogo, ou grita de alegria à noite! Porém, algumas pessoas não entendem, acreditam que devem reclamar com o zelador no dia seguinte.

Esse urso — que o escritor argentino Julio Cortázar nos apresenta — gosta igualmente de observar nossas manias, até sente alguma pena com as solidões e o próprio esquecimento de que a vida dentro de casa também guarda alguma graça ou magia, que existe toda sorte de sinfonia doméstica, que os cômodos nos acomodam com carinho, conforto e cuidados praticamente invisíveis. Ah, se os homens (e também as crianças) pudessem viajar pelos canos!

Com um tom carinhoso e insólito, este pequeno conto quase crônica, numa prosa com jeito de que vai virar poesia quase-triste-quase-alegre, pertence ao sexto livro de Julio Cortázar: Histórias de cronópios e de famas, escrito entre 1952 e 59, então publicado em 1962 para o leitor adulto. Destacando-se da obra original, em 2008, o “Discurso do urso” ganhou ilustrações de Emilio Urberuaga que traduz o fraterno personagem numa pelagem vermelha — espécie de metonímia visual, um urso que é todo emoção e fluxo. O cenário possui cores intensas mesclando luz e escuridão bastante palpáveis. Outros personagens se movem pelas páginas abertas, como um gato e um rato que brincam e costuram o distraído mundo humano e o segredo dos canos que rugem como um urso.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS
Faixa etária: 0-2, 3-5, 6-8, 9+
Ano: 2009
País: Espanha
ISBN: 9788501084996
DIMENSÕES E ACABAMENTO
28.4 cm x 21.2 cm x 0.8 cm
Peso: 340 g
Páginas: 28
COMPETÊNCIAS GERAIS BNCC
Pensamento científico, crítico e criativo, Autoconhecimento e autocuidado, Empatia e cooperação, Trabalho e Projeto de Vida
TIPOS DE LEITURA
Para refletir, Para se divertir, Para se emocionar
GÊNEROS
Álbum ilustrado, Fábula e história de animais, Livro sem idade, Conto, Realismo mágico
ASSUNTOS
Empatia, Solidão, Sonho, Cidade, Altruísmo, Animais reais e imaginários, Felicidade, Espaço urbano, Vizinhança, Isolamento, Moradia e habitação, Invisibilidade social, Urso, Acolhimento, Solidariedade, Prédio, Apartamento, Vizinhos
SOBRE JULIO CORTÁZAR
Foto do autor Julio Cortázar
Julio Cortázar é um escritor, tradutor e intelectual argentino, um dos autores mais inovadores da arte narrativa, da prosa poética, do conto ao romance, da poesia a gêneros mistos com que buscou romper com modelos tradicionais assentados na linearidade do tempo ou na visão mecânica da vida. Em seus livros, o real mescla-se ao fantástico com naturalidade suficiente para dar realce à uma compreensão sempre bem-humorada, insólita e humanitária. Seu nome muitas vezes é posto em relação às correntes literárias do realismo mágico e do surrealismo. Escreveu A casa tomada (1946), Bestiário (1951), Histórias de cronópios e de famas (1962), O jogo de amarelinha (1963), Os autonautas da cosmopista (1982), entre muitas outras obras. Cortázar morou em cidades da Itália, Espanha, Suíça, França e, mesmo sem renunciar à nacionalidade argentina, manteve-se em protesto contra o regime militar em seu país natal.
leia mais...
SOBRE EMILIO URBERUAGA
Foto do autor Emilio Urberuaga
Emilio González Urberuaga nasceu, começandoa a trabalhar como autor e ilustrador de livros infantis em 1982, utilizando e trabalhando as mais diferentes artes plásticas, como o grafismo, a estamparia e a gravura. Faz ilustrações para diversos periódicos, revistas, publicidade e livros Se caracteriza por ter os traços simples, normalmente em preto e branco. É o “pai” do famoso personagem Manolito Gafotas. Sua obra foi exposta em várias partes do mundo, sendo o único ilustrador espanhol a ter a obra exposta no Chihiro Art Museum de Tokio.
leia mais...

CLUBE DE LEITURA QUINDIM

CNPJ 21.796.019/0001-66
atendimento@quindim.com.br
(11) 4563-6701

Site protegido por reCAPTCHA Enterprise e Google, de acordo com as Políticas de Privacidade e Termos de Serviço.
2022© Clube de Leitura Quindim - Marca registrada e todos os direitos reservados - versão 3.5.35