Ignácio de Loyola Brandão, Flavia Bomfim e Ricardo Azevedo refletem sobre questões políticas na literatura infantil e o mito do livro neutro.